<<anterior início próxima>>
ELENCO:

Valdemar de Oliveira

Lord Darlington

Geninha Sá

Lady Windermere

Antônio Brito Miguel

Parker

Denise Albuquerque

Duquesa de Berwich

Lise Tavares

Lady Agatha

Hermilo Borba Filho

Lord Windermere

Laura Montezuma* Lady Plyndale
Maria de Lourdes de Oliveira Lady Stuttfild
Alfredo de Oliveira Sumby
Mário Barros Hopper
Walter de Oliveira Lord Augusto Lorton
Adhelmar de Oliveira Cecílio Granham
Maria do Carmo Rigueira Costa * Lady Jedburgh
Diná de Oliveira Erlynne
*Estreantes no Teatro de Amadores de Pernambuco

FICHA TÉCNICA:

Ponto: Aberlardo Cavalcanti ( Coleguinha )
Contra regra: Francisco Miranda
Maquinista: José Barros, Nilton Miranda e João Alves
Eletricista: Aníbal Mota

Música: Orq. de Concertos da PRA-8 sob a regência de Felipe Caparrós e a Banda do Encouraçado São Paulo.
Entidade beneficiada: Sociedade Pernambucana de Combate à Lepra

Traje a rigor com a presença da Radio Clube cobrindo
o evento, uma banda de música no saguão e
uma grande orquestra abrindo o programa.
Santa Izabel completamente lotado.

Nota: O espetáculo recebeu o patrocínio dos Almirantes Ingram, Soares Dutra e José Maria Neiva

Repetindo a exigência, na estréia, da peça "A exilada", o público compareceu a rigor, com direito, inclusive, a apresentação da banda musical no saguão do Teatro, com a reportagem da Radio Clube de Pernambuco, procurando levar ao ar, todos os acontecimentos sociais importantes da cidade. Tudo isso para assistir, mais uma obra de Oscar Wilde, levada pelo TAP. Tratava-se de um drama, pontilhado de paixões, traições, e muita falsidade, tecida pela maneira irônica do autor, em levar ao público o envolvimento de famílias tradicionais em complicados romances sentimentais, onde a traição é ponto fundamental no enredo da peça.


Criticas e comentários:


O JORNAL DO COMMERCIO DO DIA 21 DE NOVEMBRO

"A peça deixou a todos uma impressão muito lisonjeira e favorável, quer pela urdidura de seu entrecho, sobretudo sugestivo, quer pelo desdobramento, num perfeito ritmo teatral, das diversas situações cênicas. A peça é construída dentro de rígidas linhas morais.Há que se respeitar, por outro lado, o perfeito desempenho que lhe soube dar o Teatro de Amadores, confirmando, assim, o conceito que têm".

"A interpretação dada pelo Teatro de Amadores de Pernambuco ao trabalho de Oscar Wilde não comprometeu o valor de sua ilustre estIrpe literária"
LUIZ TEIXEIRA


CURIOSIDADE:
Somente aos grandes acontecimentos sociais, a Radio Clube de Pernambuco, acionaria a sua equipe técnica para dar cobertura. Não era uma tarefa fácil. Compreende-se. Tudo se passou nos anos de 1943, quando a tecnologia não tinha, nem por perto, chegado ao que hoje dispõe uma emissora de rádio. O simples fato do deslocamento da PRA-8 (prefixo da Radio Clube de Pernambuco) para ouvir as impressões das autoridades e dos convidados especiais já faziam com que, no outro dia, toda a cidade tivesse conhecimento, do que havia acontecido e como opinaram os entendidos.

Assim, tomou conhecimento o público ouvinte do que disseram:

Antonieta Magalhães:
"Um magnífico espetáculo para um fim enobrecedor".

Almirante Neiva:
"Oscar Wilde está esplendidamente interpretado pelo Teatro de Amadores de Pernambuco, esse conjunto que se pode apresentar, com êxito, em qualquer grande centro."

Prefeito Novais Filho:
"Magnífica, esta exibição. Não admira porque todos estamos acostumados a aplaudir o Teatro de Amadores."

Governador Agamenon Magalhães:
"Estou muito impressionado com a interpretação que o Teatro de Amadores está nos proporcionando".


Cenário primeiro ato
Cenário do segundo ato
Tradutor: Hermilo Borba Filho
Direção: Valdemar de Oliveira
Estréia: 14 de novembro de 1943
Local: Teatro de Santa Isabel
O Leque de Lady Windermere
De: Oscar Wilde