<<anterior início próxima>>

Segunda peça que o Polonês Ziembinski ensaia para o Teatro de Amadores de Pernambuco. O sucesso de "Nossa Cidade" arrasta um grande público ao Teatro de Santa Isabel ansioso para conhecer Bernard Shaw e uma nova montagem desse notável homem de teatro que soube se impor ao público do Recife como o fez no Rio de Janeiro e São Paulo.
A peça trás a história de um negociante de camisas e cuecas, cuja marca é sempre alardeada por ele - Tarleton - e que tinha a mania de fazer citações de autores famosos. Tudo gira em torno de um casal com um filho e uma filha com quem os pais não conseguem boa convivência, fato comum na sociedade de classe média. Surge em visita um Lorde com seu filho que no desenrolar da história passa a criar sérios problemas dentro da vida da família. Figuras como de uma aviadora e um aviador complicam definitivamente o ambiente. Quando se descobre que o filho do negociante é fruto de um romance com outra mulher tudo passa a se constituir um enorme imbróglio, onde quem sai ganhando é o público que se diverte com as brincadeiras de Shaw, um eterno e profundo conhecedor de como criar situações que atingem o seu público com muito humor e muita graça.

ELENCO:

Reinaldo de Oliveira Johnny
Fernando de Oliveira Bentley
Zélia Sena Caldas* Hipatia
Diná de Oliveira Sra. Tarleton
Valdemar de Oliveira Lord Summerhays
Otávio da Rosa Borges Tarleton
Oscar Cunha Barreto Percival
Salomé Mendonça* Lina Szcze Panowska
Alfredo de Oliveira Um homem
* Estreando no Teatro de Amadores de Pernambuco

FICHA TÉCNICA:

Contra regra:
Francisco Miranda
Maquinista: João Alves e José Barros
Eletricista: Aníbal Mota
Cenários: Ziensbinski

Produção : Teatro de Amadores de Pernambuco

CRÍTICAS E COMENTÁRIOS

"...se torna sempre agradável a uma platéia ver ridicularizadas certas normas de existência, certos padrões de vida estabelecidos pelos peso dos anos, certas figuras estandardizadas e que não são próprias apenas da sociedade inglesa, mas de todas as sociedades."
Hermilo Borba Filho

"O público ri das situações, mas depois,, meditando bem, vê que estão rindo deles mesmos, que aquelas cenas são cotidianas, muito comuns nas sociedades aristocráticas"
Luiz Maranhão Filho

"O agrado com que a platéia recebeu a sátira do autor Irlandês veio demonstrar que as suas frases e situações atingiram o alvo, cheias como são de muita verve e bom humor."
Hermilo Borba Filho

"Gênero, de fato, nem comum ao repertório do Teatro de Amadores de Pernambuco, nem comum em nossos palcos, onde para fazer rir o público não conhece outros condimentos que não sejam os da chanchada. É muito possível que algum sujeito menos ajuizado descubra, em "Pais e Filhos", um parentesco, próximo ou remoto, com a comédia baixa que fez as delícias do grosso público."
Valdemar de Oliveira

 

Tradutor: Guilherme Figueiredo
Direção: Zbigniew Ziembinski
Estréia: 3 junho de 1949
Local: Teatro de Santa Isabel
Alfredo e Otávio
Alfredo e Otávio
Zélia Sena e Oscar
Zélia Sena e Oscar
Zélia, Otávio, Oscar e Valdemar
Zélia, Otávio, Oscar e Valdemar
Pais e Filhos
De: Bernard Shaw