<<anterior início próxima>>

ELENCO:


Reinaldo de Oliveira Cardeal Gonzaga
Enéas Alvares Cardeal Rufo
Renato Phaelante Cardeal Montmorency
Adhelmar de Oliveira Sobrinho Fâmulo

FICHA TÉCNICA

Cenário: -
Valter de Oliveira
Contra regra: -
Clemilda Ebla Dulcinéa de Oliveira
Maquinaria: -
Aluisio de Santana Wilson de Barros Caracterização: - Nita Campos Lima Mariinha
Som e luz: -
Caetano Jesiel Lacerda Armando Ferreira

" No dia de hoje o "Nosso Teatro" passa a ser chamado "Teatro Valdemar de Oliveira". É a maneira maior através da qual os seus companheiros do Teatro de Amadores de Pernambuco lhe perpetuam o nome. O seu desaparecimento constitui, ao mesmo tempo, um grito de lamento e um brado de alerta. Lamentar a falta do seu idealizador e construtor e alertar para o dever de dar-lhe continuidade, parece constituir as atitudes básicas dos seus amigos de ideal. E é o que se faz neste momento. No dia de hoje, também, assume o cargo de Diretor Geral, seu filho, Reinaldo de Oliveira, conduzido pelas circunstâncias à tentativa de substituir um homem insubstituível. Ao seu lado os velhos amigos que atendem ao apelo de continuidade da obra, razão precípua da consecução dos seus objetivos.

A apresentação nesta noite da peça "A ceia dos Cardeais" de Júlio Dantas, tem duplo sentido. É a realização do último desejo de Valdemar de Oliveira em seu leito de dor e uma prova de vitalidade do TAP, que já não se pertence, incorporado que está ao próprio patrimônio artístico do país. O trabalho continua, com o apoio de todos.

O Teatro de Amadores de Pernambuco oferece à memória do seu líder e fundador, não somente a certeza da perpetuação de sua obra, mas, também, a de que soube preparar nova geração de pessoas impregnadas dos mesmos ideais amadorísticos de pureza de sentimentos, honestidade de propósitos e perene luta em prol da dignidade da arte teatral."


Direção: - Valter de Oliveira Estréia: - 23 de maio de 1977 Local: - Nosso Teatro
A Ceia dos Cardeais
De: Julio Dantas